Page 10 - Observa Magazine Setembro
P. 10

DE REGRESSO A PORTUGAL



                                                  JOSÉ DE BARROS























































        OM:   Fale-nos um pouco da Lauak. Que adaptações foram   anos. Infelizmente, tivemos de reduzir os nossos recur-
        feitas em tempo de pandemia?                          sos humanos para cerca de metade, não podendo renovar
                                                              contratos de trabalho e outros tendo ido para o fundo de
        JB:  A Lauak é uma empresa  de aeronáutica, a laborar de   desemprego.
        forma autónoma em Portugal. Foi, precisamente, para isso
        que eu vim para Portugal, para criar uma estrutura inde-  OM:  Os salários na Lauak portuguesa equiparam-se aos
        pendente da  empresa mãe do grupo, sediada em França.   salários franceses?
        Foi fundada pelo CEO Arnaldo Gomes que me convidou e
        me promoveu a Diretor. Naturalmente, que a Lauak se res-  JB: Não. A vantagem de Portugal são os salários. Não po-
        sentiu com os efeitos da pandemia. Uma indústria aero-  demos pagar o mesmo,  pois, em Portugal pagamos muito
        náutica ressente-se quando as viagens, quer de turismo,   ao Estado, nomeadamente, à Segurança Social. Se fosse
        quer de negócios, baixam drasticamente. As pessoas ain-  para pagar o mesmo íamos para  outros países, nomeada-
        da têm muito receio de viajar e por isso optam muito pe-  mente, Alemanha e outros do norte da Europa.
        las reuniões online em vez de apanharem um avião. Para
        dar um exemplo, num determinado segmento, no lugar    OM:  E então o clima e a segurança, não compensam? E
        de produzirmos 60 aviões, produzimos 40. Os mais oti-  não somos os melhores trabalhadores?
        mistas, estimam que voltemos à normalidade dentro de
        3 anos, os mais pessimistas  apontam para os 10 anos e   JB:  A mim sim, pois, sou português, mas para outros in-
        eu estimo  que recuperemos a produção dentro de 4 a 5   vestidores não portugueses, não me parece que seja assim.




        PAG  10   |   OBSERVA - MAGAZINE
   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15